segunda-feira, novembro 30, 2009

?

Se calhar devia escrever isto para mim! Se calhar o desabafo faria mais sentido num pedaço de papel... ou melhor, porquê escrever para começar? É para isso que servem os telemóveis ou mesmo a Internet! Posso falar como e quando quiser, com quem tiver a paciência de me ouvir e falar comigo! Mas não me apetece conversar! Também não me apetece ouvir ninguém. Quero este tempo para estar sozinho com os meus pensamentos, por mais carregados de tristeza e pessimismo que estejam. O risco é grande pois sinto que estou a perder a cabeça, a ser completamente consumido por uma enorme angústia. É uma tortura lenta. Dores que se fazem sentir pelo meu corpo inteiro. Consigo tolerar até certo ponto.. mas quando penso nessa mesma dor a ser infligida a outros... aí é que começo a ceder! Não consigo! Incomoda-me! Há certas coisas que têm vindo a acontecer que parecem não ter explicação!
E eu, que não sou crente, dou por mim a olhar para cima e a falar sozinho à procura de algum conforto... conforto esse que abdico sem hesitar para que outros que precisem mais o possam experimentar! É que juro... EU NÃO PERCEBO! Obstante das dúvidas e de todo este meu comportamento irrequieto, sei o que me compete fazer! Manter postura sóbria, mas nunca isente dos meus sentimentos porque dificilmente os consigo esconder, quanto mais negar! Aliás são esses mesmo sentimentos que evocam em mim toda a força que nunca sonhei ter! Para que possa inspirar nos que me rodeiam a mesma calma e serenidade nos momentos de maior aflição! E sei que não estou sozinho! Somos muitos... mesmo muitos! Separados é verdade... faz muito tempo que não estamos todos juntos! Esporadicamente surge um evento ou outro que nos reúne e nesse momento é uma celebração! Celebração da amizade que nutrimos uns pelos outros...
Infelizmente, por vezes surgem causas/motivos desagradáveis que acabam por evocar a nossa presença. São aqueles reencontros que deveriam ter outro sabor, mas que por força das circunstancias assumem um formato nada desejável. Confesso que em alturas como essas, épocas sinistras, escuras e melancólicas que apenas uma coisa é capaz de me animar. A união demonstrada pelo grupo. União que se reflecte nos gestos mais pequenos mas que causam impacto imediato. É bonito porque contagia. Espalha-se e espalha-se rápido! Como tem sido habitual, espero que estejamos todos à altura, porque as coisas não estão mais fáceis e não prometem melhorar... mas... confio em mim e mais importante, confio nos que me rodeiam...


Dizem que tudo o que acontece... é por algum motivo! Onde é que ele está?! Sim... o motivo... ONDE É QUE ELE ESTÁ?!


Peço perdão pelas perguntas que tem que ser feitas...

domingo, novembro 29, 2009

Ficção²

Para ver filmes fictícios dentro de filmes (como esta frase soa mal)... cliquem aqui!

(o meu destaque vai para Ghandi II - hilariante!)

sábado, novembro 28, 2009

Em modo "Repeat"...



Não me consigo controlar! Ando a ouvir esta malha o dia todo! é em casa, no carro, no telefone...que necessidade compulsiva de ouvir esta voz, particularmente esta música que tanto mexe comigo. No carro canto desalmadamente aos berros como se fosse um com o universo, sem ninguém a olhar para mim! O mais engraçado é que Adele lançou este álbum no inicio de 2008, e a minha descoberta têm menos de duas semanas! Nomeada para quatro Grammys tendo ganho dois deles nas categorias de Best New Artist e Best Female Pop Vocal Performance para o tema Chasing Pavements, a sua afirmação foi imediata. Curiosamente esse tema é de facto dos que menos me agrada, embora goste sempre de ouvir a sua voz, porque carrega uma sonoridade demasiado comercial. É certo que podem dizer o mesmo da maioria dos restantes temas, mas comparativamente a Hometown Glory, o meu tema de eleição, acho que podem todos constatar na diferença de alma e entrega, bem como a força da própria letra e melodia. Só para que saibam... esta música foi escrita por Adele quando tinha apenas 16 anos... (dá que pensar...)

sexta-feira, novembro 27, 2009

Juntos na luta contra a fome...



 Na véspera de mais uma iniciativa do Banco Alimentar Contra a Fome, senti uma necessidade de escrever sobre o papel importante que esta instituição tem desempenhado desde o seu estabelecimento em 1966 na cidade de Phoenix, Arizona. Como é óbvio, algo desta dimensão acabou por se propagar pelo mundo fora, chegando a Lisboa em 1992. Desde então já abriram dez bancos alimentares espalhados por Portugal, que recolhem e distribuem toneladas de produtos, tudo a favor de pessoas carenciadas. São cerca de mil e quarenta e oito instituições no qual o Banco Alimentar auxilia, contribuindo na ajuda aos que mais precisam. Com o decorrer dos anos, o Banco Alimentar tornou-se num "favorito" entre a população pela causa que defende e pela forma como pratica estes actos de solidariedade, inspirando em todos nós um lado mais sensível às necessidades dos outros. Entre outras coisas, também promove o espírito de equipa e a combinação de gerações que se disponibiliza para trabalhar nesta causa, sendo que nos dias de hoje temos uma adesão muito forte da malta jovem, entre os quais tenho o orgulho de contar com muitos amigos e conhecidos. Este fim-de-semana, contamos com a ajuda de todos os que tiverem paciência, disponibilidade e acima de tudo, muita vontade em contribuir para uma causa que tem sido fundamental para promover o bem estar dos mais necessitados.

Em crescimento...



Between Waves é o quarto álbum da carreira a solo de David Fonseca. Teve o seu lançamento oficial dia 9 de Novembro e é para já um sucesso em Portugal. Num mercado dominado pelo Pop e música em geral comercial, David Fonseca surge com um trabalho maturo e rico nas influências indie que revela bem a evolução que sofreu desde os seus tempos com a banda Silence 4. O cantor além de ter uma maior presença em palco, deixando-se embalar num som indie-pop caloroso e harmónica, deixa também que a sua essência musical sofra influências de fora como é o caso nesta sua última obra. Como exemplo disso, podemos constatar em muitos dos seus temas um registo semelhante aos Arcade Fire. Importante mencionar que David Fonseca escreveu todos os temas do álbum, bem como toca grande parte dos instrumentos.
Esta transformação de facto, vem mesmo a calhar, porque fazia-me falta ouvir mais música portuguesa deste género que tanto gosto. Sempre atribui o devido reconhecimento a David Fonseca pela sua vontade em querer evoluir, pelo seu bom gosto musical que tem vindo a se expandir noutros campos e pela entrega em palco para consigo, sua banda e os seus fãs.

quinta-feira, novembro 26, 2009

Låt den rätte komma in


Låt den rätte komma in (2009) ou no seu título em inglês Let the Right One In é uma longa-metragem sueca do realizador Tomas Alfredson baseado numa obra literária do mesmo nome, escrita por John Ajvide Lindqvist. A história é centrada num rapaz de 12 anos chamado Oskar que desenvolve uma amizade com Eli, uma criança vampira, nos subúrbios de Estocolmo. Inicialmente desconhecedor da "condição" de Eli, a relação que é fomentada entre ambos acaba por se traduzir num romance. Este facto só por si revela uma enorme fuga da história convencional de horror, sendo que aqui são misturados os dois géneros, Romance e Terror. O núcleo deste conto anda à volta das duas personagens juvenis que, segundo consta, demoraram um ano até encontrar os actores ideais para a sua representação. O bom casting foi enaltecido pela critica bem como outros aspectos do filme, que andou nas bocas do mundo pela sua qualidade e a sua approach invulgar, tendo ganho um lugar entre os filmes de culto. A sua adaptação, embora não seja 100% fiável (e propositadamente) mantém o essencial, apenas havendo uma ligeira mudança de direcção quanto à finalidade do conto, dando maior ênfase ao romance do que propriamente o horror.
Confesso que estava com expectativas elevadas dado o nível de hype à volta do filme, os prémios ganhos, a sua pontuação no IMDb (8.1!! - lugar #202 nos TOP #250) e percentagem no RottenTomatoes (96% Good Reviews) ... mas mesmo assim, acabei rendido à obra. Tiro-lhe o chapéu....

Deixem-me que vos apresente...

... este senhor chamado Hugh Coltman...



quarta-feira, novembro 25, 2009

Super-Banda



 São pássaros?! São aviões?! Não!! Sãos os Them Crooked Vultures !

Este grupo formado em Los Angeles é composto (da esquerda para a direita) por Josh Homme (Queens of The Stone Age), John Paul Jones (Led Zeppelin) e Dave Grohl (Foo Fighters). Três músicos de topo que se juntaram para este projecto, que para já, será encarado como algo a curto-prazo. A ideia de se juntarem já vem de 2005 mas só agora é que consumaram a união, sendo fruto dessa relação o álbum homónimo que, sem surpreender pela originalidade, providencia boa música e claro, a oportunidade única de ouvir a fusão de três mestres do Rock.

Can you dig it?



Uma comédia de grande qualidade. A ideia é simplesmente genial. Basicamente neste trabalho do realizador Scott Sanders, temos uma sátira às séries e filmes do final dos anos 70 enquadrados num movimento conhecido como Blaxploitation, termo este que define trabalhos realizados onde os protagonistas eram maioritariamente negros, sendo que o trabalho era destinado a este público. Exemplos deste movimento são programas/filmes como Shaft e Foxy Brown.
Michael Jai White além de protagonizar este filme, é uma das mentes responsáveis pelo argumento e guião, e tenho a dizer que tanto em termos de representação como de ideias para o projecto, está de parabéns! De facto Black Dynamite apresenta uma imagem vintage demonstrando muito bem (e de forma hilariante) a época vivida durante os anos 70 e a sua produção televisiva/cinematográfica. O filme estreou no Sundance Festival 09 e foi alvo de excelentes criticas. Pudera... um filme como este garante um serão muito divertido com um exagero de gargalhadas e uma evocação de memórias muito engraçadas (para quem conhece o género). É que temos tudo!! A banda sonora dominada por aquele funk tão típico fazendo lembrar malhas do Curtis Mayfield e Barry White, o guarda-roupa é fantástico, os diálogos são hilariantes (recorrem a frases e expressões como Can you dig it? /  Sucka e rimam por tudo e por nada - vocês tão a ver a cena...), as cenas de acção hand-to-hand e tiroteios estão todas bem retratadas e não vamos esquecer as perseguições. Temos perseguições a pé e de carro do mais "alto calibre". Atenção para o facto quando digo que estão bem representadas, estou a contextualizar aos objectivos do filme no sentido em que a intenção do realizador é demonstrar todos estes aspectos da forma como era feito na altura mas assumindo que estão ali para satirizar e não tornar nenhuma cena credível. O elenco é composto (como é óbvio) na sua maioria por actores negros, sendo muitos deles celebridades americanas (comediantes, cantores e atletas).
Diverti-me bastante e recomendo a todos os amantes de comédia que arranjem este filme mal possam. Estejam atentos a pequenos detalhes que podem ser significativos no despertar do riso e já que estamos numa de dar conselhos, vejam acompanhados! É sucesso garantido!


Desconstruindo a polémica...





"I don't hate women..."                  

terça-feira, novembro 24, 2009

Optimus Secret Show







Optimus Secret Show é um projecto desenvolvido pela rede Optimus em colaboração com o site MySpace onde, de forma gratuita, providenciam às pessoas interessadas e atentas a oportunidade de assistir a um concerto. O artista, local e data são mantidos em segredo durante um determinado tempo, sendo que serão distribuídas pistas para que as pessoas possam adivinhar a surpresa musical. Para que tenham acesso às pistas disponibilizadas terão que ter uma conta no MySpace e "ser amigos" da optimuslounge. Lá terão também instrucções relativamente à impressão do bilhete, mas posso deixar aqui a explicação pois não existe grande ciência. Basicamente terão que imprimir uma imagem que serve de bilhete e entregam à porta do local onde se vai realizar o concerto. Visto que a entrada é gratuita, as entradas serão feitas por ordem de chegada até que o recinto esteja cheio (portanto aconselho que estejam lá quanto antes para garantirem a vossa entrada).
O primeiro Optimus Secret Show, dia 30 de Outubro, foi um sucesso com os suecos Mando Diao! O grupo português Pontos Negros abriram as hostes. Felizmente, fui um dos "contemplados" que pode marcar presença nesta iniciativa fantástica. Agora segue-se Nelly Furtado que possivelmente fará uma apresentação ao público português do seu novo álbum Manos Al Aire recheado de temas cantados em espanhol. O dia do espectáculo é 26 de Novembro e o local Coliseu dos Recreios. Na abertura teremos Margarida Pinto, membro antigo do grupo Coldfinger, agora num projecto a solo.
Uma vez que o concerto seja realizado, teremos mais uma sessão de pistas, perguntas e muitas dúvidas relativamente ao nosso próximo convidado... mas as hipóteses são ilimitadas. Basta ver no grupo de amigos no MySpace do OptimusLounge para alimentarmos sonhos e esperanças no que toca ao próximo evento! Entre os vários "amigos" temos: Shout Out Louds, Ting Tings, TV on The Radio, Placebo, The Hives, Au Revoir Simone, entre outros...

Promete...

Amor Intemporal

Encontra-se em cena no Forte da Cidadela, junto à Marina de Cascais até dia 30 de Novembro. A peça é intitulada de Amor Intemporal, mas de teatro têm muito pouco. É mais uma sessão onde os "protagonistas" declamam poesia para a sua audiência. Uma forma original de fazer chegar o nome de grandes poetas e as suas obras aos mais jovens. Esta acção embora com um determinado nível de risco é certo, surte efeito pois cativa a sua audiência pela originalidade. A companhia Confluência liderada pelo actor Ricardo Carriço é um grupo que mistura gerações, gostos e personalidades que têm todos em comum o seu amor pelo teatro e pela arte em geral. Juntos neste trabalho, projectam as suas vozes aliadas a uma composição sonora escolhida a dedo para cada poema, de forma a tocar cada um dos membros da audiência de formas diferentes. O tema, como o titulo indica é o amor. A encenação e desenho de luz é feita pelo próprio Ricardo Carriço e a recolha, organização e dramaturgia é feita pela Senhora Helena Torrado.
Caso estejam interessados em passar um serão leve (o espectáculo tem cerca de uma hora) e agradável, façam o favor de ir ver a peça, sendo os dias para o fazer 5º, 6º e Sábado às 22h00.




Curiosidade:
O recinto onde se realiza a peça é uma sala pequena mas com óptimas condições graças à dedicação da companhia Confluência e os seus amigos, que recuperaram um espaço dado como perdido.

Remember The O.C

Lembram-se da série televisiva "The O.C" (Na Terra dos Ricos)? Aquela série que trazia para dentro de nossas casas Ryan, Marisa, Seth e Summer? A série sem dúvida alguma teve um impacto muito forte aquando do seu surgimento em 2003, tendo passado por altos e baixos até terminar em 2007 com a sua quarta temporada. Apesar da qualidade narrativa nem sempre ser fantástica, uma coisa é certa... a música era fenomenal. E é por ai que quero pegar ao abordar este tema. "The O.C" foi um veiculo importantíssimo na divulgação da música Indie pelo mundo fora. O seu impacto aqui em Portugal foi impressionante. Era impensável andar no IPod do "average tuga" grupos como Death Cab for Cutie, Bright Eyes, Modest Mouse ou The Walkmen, mas graças à (super) influência da série, os portugueses foram premiados com música de altíssima qualidade para os seus ouvidos, expandido o seu gosto e conhecimento para outros campos mais diversificados. Uma moda que parece ter pegado e dificilmente se consegue abanar! Música Indie veio para ficar. Ficam aqui alguns dos momentos musicais das bandas que participaram em episódios do O.C.

Genérico "The O.C" -
Phantom Planet - California


Modest Mouse - Paper Thin Walls


Rooney - Shakin'


The Thrills


The Subways - RockNRoll Queen


The Killers - Mr. Brightside


btw...ficam aqui as compilações feitas para a banda sonora do "The O.C"..

The OC Mix 1

oc1
Track Listings
1. Paint The Silence/South
2. Just A Ride/Jem
3. Honey And The Moon/Joseph Arthur
4. The Way We Get By/Spoon
5. Move On/Jet
6. How Good It Can Be/The 88
7. Caught By The River/Doves
8. Rain City/Turin Brakes
9. We Used To Be Friends/The Dandy Warhols
10. Dice/Finley Quaye & William Orbit
11. Orange Sky/Alexi Murdoch
12. California/Phantom Planet

The OC Mix 2

oc2
Track Listings
1. Saturday Morning — Eels
2. Hello Sunshine — Super Furry Animals
3. Smile Like You Mean It — The Killers
4. A Lack of Color — Death Cab for Cutie
5. Specialist — Interpol
6. Something Pretty — Patrick Park
7. You Got Me All Wrong — Dios Malos
8. If You Leave — Nada Surf
9. Big Sur — The Thrills
10. Little House of Savages — The Walkmen
11. Trouble Sleeping — The Perishers
12. So Sweet — Jonathan Rice
13. Popular Mechanics for Lovers — Beulah
14. Walnut Tree — Keane
15. Maybe I’m Amazed — Jem
16. Eastern Glow — The Album Leaf

The OC Mix 3

oc3
Track Listings
1. The Christmas Song – The Raveonettes
2. Last Christmas – Jimmy Eat World
3. Just Like Christmas – Low
4. Merry Xmas Everybody – Rooney
5. Rock of Ages – Ben Kweller
6. Christmas With You is the Best – The Long Winters
7. Christmas is Going to the Dogs – Eels
8. Christmas – Leona Naess
9. Maybe This Christmas – Ron Sexsmith

The OC Mix 4

oc4
Track Listing
1. Decent Days And Nights – The Futureheads
2. Goodnight And Go (Album Version) – Imogen Heap
3. Fortress (Album Version)vPinback
4. On The Table (Album Version) – A.C. Newman
5. To Be Alone With You (Album Version) – Sufjan Stevens
6. Play (Album Version) – Flunk
7. Scarecrow (Album Version) – Beck
8. The View (Album Version) – Modest Mouse
9. Hardcore Days & Softcore Nights (Album Version) – Aqueduct
10. Cartwheels (Album Version) – Reindeer Section
11. Eve, The Apple Of My Eye (Album Version) – Bell X1
12. Champagne Supernova (Album Version) – Matt Pond PA

The OC Mix 5

oc5
Track Listing
1. Rock & Roll Queen (album version) – The Subways
2. Reason Is Treason (Album Version) – Kasabian
3. Wish I Was Dead Pt. 2 (Album Version) – Shout Out Louds -
4. Daft Punk Is Playing At My House (Album Version) – LCD Soundsystem -
5. Publish My Love (Album Version) – Rogue Wave
6. Forever Young (Album Version) – Youth Group
7. Requiem for O.M.M. (Album Version) – Of Montreal
8. Kids With Guns (Album Version) – Gorillaz
9. Na Na Na Na Naah (Album Version) – Kaiser Chiefs
10. Your Ex-Lover Is Dead (Album Version) – Stars
11. California 2005 (Album Version) – Phantom Planet
12. Hide And Seek (Album Version) – Imogen Heap

The OC Mix 6

oc6
Track Listings
1. Float On — Goldspot
2. I Turn My Camera On — Rock Kills Kid
3. Pretty Vacant — Lady Sovereign
4. California — Mates Of State
5. Wasted — Pinback
6. Can’t Get It Out Of My Head — John Paul White
7. Debaser — Rogue Wave
8. Hello Sunshine — Syd Matters
9. Smile Like You Mean It — Tally Hall
10. Come Into Our Room — The M’s
11. The End’s Not Near — Band Of Horses
12. Into Dust — Ashtar Command

segunda-feira, novembro 23, 2009

Introdução...

Este blog surge numa altura onde tenho bastante tempo entre mãos e como tal quero arranjar algo para ocupar esse tempo de forma criativa e "útil". A ideia sempre me pareceu atractiva mas, tendo em conta que os blogs exigem alguma manutenção, nunca me pareceu que conseguisse estar à altura das suas exigências. No dia em que o blog perde a "presença" do seu escritor, perde por completo a sua alma, vivendo apenas das referências passadas, que embora não perdendo todo o seu valor, já desempenharam a sua função na dada altura que viveram. É certo que o blog não vive exclusivamente de artigos e comentários... a inclusão de ficheiros vídeo e áudio são uma excelente forma de complementar este espaço e conseguem servir os meus propósitos. O que mudou na minha óptica para o investimento no blog ?! Além do acréscimo de tempo, realizei que apesar de ser necessário dar um bocado de atenção à página, o mais importante é a vontade... e bastam os pequenos momentos (que podem viver de pouco tempo) para rechear o blog aos poucos.
Gostava de agradecer ao Pedro Freitas, um dos responsáveis pela minha iniciativa em "trabalhar" este meu espaço "pretensamente-cultural". O Pedro convidou-me  para um projecto seu (que incidia sob o cinema, um dos meus temas de eleição que estará sujeito a grande reflexão neste blog) onde escrevi durante um período de tempo sempre que podia. Através da minha escrita e dedicação ao "Take da Má Língua" vivi uma experiência que me levaria a realizar que de facto tinha condições para escrever o meu blog "a solo" escrevendo sobre os temas que mais me interessam, nomeadamente sobre assuntos ligados à cultura e desporto.

Vou tentar aplicar-me ao máximo para tornar este blog o mais interessante possível, numa perspectiva que é pessoal e inata ao meu ser. Irei escrever para mim sem pretensões de agradar ninguém, mas não escondo que tenho esperanças de que o blog venha ter alguma utilidade, acrescentando algo mais na vida daqueles que o lêem. Eu sei o que outros blogs me têm dado ao longo dos tempos, portanto espero de alguma forma "retribuir"...