terça-feira, agosto 24, 2010

Crazy Heart (2009)


Crazy Heart (2009) é um drama-musical realizado por Scott Cooper (a sua primeira longa-metragem) , baseado numa obra escrita em 1987 por Thomas Cobb. O filme conta a história de "Bad" Blake (Jeff Bridges), em tempos uma estrela country

"Bad", já com 57 anos, é um alcoólico que sobrevive de pequenos gigs (leia-se "concertos") que o seu agente lhe vai arranjando em pequenos bares e salões espalhados pelo sul dos Estados Unidos (onde o Country é mais popular). Por entre os vários problemas que o afectaram ao longo da sua vida (saúde, relações amorosas e na própria relação - inexistente - com o seu filho), um solitário e triste "Bad" depara-se com uma jovem jornalista (Maggie Gyllenhaal) com quem acaba por estabelecer uma relação que transcende o (inicial) âmbito profissional passando a ser uma inspiração na procura de ser alguém melhor (enquanto pessoa e artista).

Ora... admito que já tivera alguma intel afirmar que o filme não era nada de espectacular... e apesar das boas criticas e a pontuação no iMDB, a verdade é que terei que concordar quando dizem não há muito mais além da performance de Jeff Bridges (magnifico como se dizia)... contudo, tenho a dizer que não achei suficiente para o Sr. Bridges levar a estatueta para casa! Convenhamos... num filme com este tipo de papel a puxar pelo Oscar e com um desempenho muitíssimo bom, é natural que alguém com o calibre de Jeff Bridges fosse um sério candidato a ganhar na categoria de Melhor Actor Principal... mas continuo a achar que Colin Firth está num patamar superior com o seu papel em A Single Man (2009) de Tom Ford.
Talvez pouco capaz de ser imparcial, dado o lugar que A Single Man ostenta nas minhas preferências, procurei sempre manter a minha avaliação o mais concisa e certeira possivel... e mesmo reconhecendo que Jeff Bridges carrega às costas (o que é sozinho) um filme banal, elevando-o para outro nível... só consigo tirar uma conclusão:
O prémio que lhe foi conferido pela Academia serve mais como forma de reconhecimento pela sua brilhante carreira e não pelo papel (que mais uma vez reforço: é sublime, mas dada a concorrência, acho que ficou a dever a Firth e talvez mesmo a Jeremy Renner).

Maggie Gyllenhaal com nomeação para "Melhor Actriz Secundária" junta-se ao restante supportive cast com Colin Farrel e Robert Duvall (todos estes muito regulares com as suas respectivas prestações).

Ahhh... não quero deixar de referir (como faço sempre quando a sua qualidade assim o evoca) a excelente banda-sonora, desta inserida no panorama country. Eu que não sou um grande fã do género, deixei-me envolver pela sua musicalidade e pelas letras que em tanto me recordam do fado (pela histórias que carregam e pela forma como são contadas). Mesclado com blues (um dos meus estilos musicais preferidos) rapidamente me cativou desde o inicio...

Aproveito para salientar que o filme ganhou um Oscar na categoria Best Original Song com o tema The Weary Kind escrita por T-Bone Burnett e Ryan Bingham...

2 comentários:

Pedro disse...

Coincidência...vi este filme ontem á noite, também não achei nada de especial! Muito parado.

Abraço

P.Teodoro

Joana disse...

Fiquei com curiosidade!