terça-feira, agosto 17, 2010

The Expendables (2010)


Escrito, realizado e protagonizado por Sylvester Stallone, The Expendables (2010) ou Os Mercenários se assim preferirem, é um filme aguardado por mim (e certamente por muitos outros) há bastante tempo... 

Não é por ter um argumento/premissa interessante, nem por ter um preview trailer que arrase... também não é por ser "orquestrado" pelo Sly Stallone, actor que aprecio imenso e a quem atribuo qualidades além de um (icónico) actor de acção...
O que me interpela como sendo o elemento chave que me apelou de forma vigorosa foi o conceito por detrás desta longa-metragem...
"Que conceito é?" Perguntam vocês! A resposta torna-se evidente quando o nosso olhar "cola" no cartaz do filme...



O elenco! No elenco está a resposta... no elenco está a surpresa... no elenco está a razão pelo qual este filme vai atingir um grau de sucesso avassalador!
Basicamente, o meu bem-amado Stallone decidiu reunir alguns dos nomes mais sonantes do panorama cinematográfico ligados ao mundo de acção. Pertencentes a várias gerações, onde se evidenciam principalmente as estrelas que figuraram a época dourada dos anos 80, temos nomes como Jason Statham (belíssimo actor lançado por Guy Ritchie), Jet Li, Dolph Lundgreen, Eric Roberts (em tempos considerado um bom actor - com uma nomeação para Oscar em 85 - que infelizmente entrou num espiral descendente para filmes categoria B), Randy Couture, "Stone Cold" Steve Austin (estes últimos dois, aspirantes no género, tendo construído os seus nomes no UFC e Wrestling respectivamente), Terry Crews (pouca envolvência nos action flicks, mas com potencial), Mickey Rourke e por fim... dois cameos de alto calibre... Bruce Willis (que despontou nos filmes de acção graças à personagem John Mcclane na saga Die Hard) e Arnold Schwarzenegger.

De tal forma é consenso comum que estas últimas duas figuras aliadas ao nome de Stallone seriam tremendas, grande parte da campanha de marketing andou em torno desta reunião. Embora haja quem diga que foi ignorada a "pouca" relevância de Willis e Schwarzenegger dado o seu pequeno contributo, a verdade é que por muito ínfimo que seja o "tempo de antena", não há participação no filme que carregue maior simbologia e (a verdadeira) essência do género acção nas últimas décadas do cinema. Este momento é de longe o mais significativo, tendo provocado em toda a sala (que por sinal se encontrava completamente apinhada) uma ansiedade tremenda aquando da entrada do Governador, que provavelmente só não resultou numa explosão de aplausos por timidez, mas que cedo se quebrou durante o mesmo diálogo com uma saída "brilhante" de Stallone... dando lugar assim aos risos, "berros" e (claro está) os tais aplausos...

Sem ser um bom filme (longe disso), ninguém lhe nega a sua importância enquanto um projecto que procura reavivar um estilo semelhante ao que tornou popular alguns dos nomes mais populares de Expendables.
Violência desmedida (em abundância) e diálogos pouco elaborados (nem há espaço para o "dispara primeiro, pergunta depois"... o que vêm a seguir não é de todo significativo) são alguns dos elementos base que compõem este trabalho. Mas há mais...
Cenas humorísticas, referências da actualidade, clichés e mais clichés... ilustram bem o clássico filme "pancada de meia-noite", assegurando aos espectadores aquilo que certamente estariam à espera de ver... um filme "pipoca" de consumo imediato, sem pretensões a grandeza mas passível de ser considerado uma obra de culto dado a concretização da junção de tanto nome emblemático. Isto garante quase à partida uma boa recepção por parte dos fãs, sendo muito dificil ficarem desiludidos...

Entretanto já se fala de uma sequela... levando muitos a especular que outros nomes se juntarão...
Casos de: Van Damme, Steven Seagal, Chuck Norris, Jackie Chan ou Vin Diesel e Dwayne "The Rock" Johnson, nomes contemporâneos (e já com estatuto de estrelas)

Posto isto, não deixem de ver The Expendables pelo marco que este representa... (isto é, if that's your thing...)


Nenhum comentário: