quarta-feira, setembro 08, 2010

"Nunca tínhamos perdido? Perdemos Hoje!"







Ontem não foi a gota de água! Não foi! 
Não foi porque já andamos nisto desde que Queiroz (esse adjunto fantástico) entrou para desempenhar tarefas de seleccionador nacional, depois de múltiplas experiências por clubes onde simplesmente não foi capaz de singrar. 

Amarrado ao seu nome ainda se encontra a época dourada (nas camadas jovens) por qual foi responsável! 
Kudos para si, Sr. Queiroz... por essa equipa fantástica que formou e pelo futebol que desencadeou... mas com todo o respeito... essa época is long gone e como tal, você é considerado a figura máxima responsável pelo percurso (atribulado) que temos vindo a fazer aquando da sua chegada... mas já cá volto...

Por agora fico-me pela apreciação do jogo de ontem...

Perdemos com a Noruega, fruto de um golo atípico em que houve claramente responsabilidades para o guarda-redes Eduardo e não o colectivo, embora este pouco fizesse para inverter o resultado e assim, poupar o guardião a alguns comentários. A verdade é que pouca gente é capaz de apontar o dedo (de forma vincada) a Eduardo, talvez por pairar a sensação de que estamos em divida para com ele por alguns dos jogos efectuados no Mundial. Eu cá penso que não estamos em divida coisa nenhuma! Não achei a sua prestação nada por aí além, embora confesse que fui naturalmente contagiado pela forma como Eduardo se entregava em campo (visível na maneira em que abordava cada lance, em que falava com cada colega e até mesmo enquanto cantava o hino). Mas isto pouco, ou nada, terá de influenciar a minha opinião pois embora sejam qualidades inerentes e fortemente ligadas (capacidade técnicas vs capacidades humanas) tenho de saber separar o homem do guarda-redes. Sendo assim, anuncio que não é com surpresa que observo estes "vacilos" consecutivos (Chipre e Noruega) que podem ser facilmente interpretados como "falhas que vêm com o território" ou seja erros que estão sujeitos a aparecer de tempo em tempo... afinal de contas, estamos a falar da posição em campo que possivelmente carrega maior pressão. Enfim... "tentámos" assumir controlo do jogo, algo que não se traduziu rigorosamente em nada, dado a falta de eficácia em levar a bola à área adversária. Há que dar mérito também ao sistema implementado pela Noruega que se mostrou coesa no sector defensivo, não se inibindo de colocar Portugal em sentido sempre que tinha oportunidade de lançar um contra-ataque, porém, falamos da Noruega... e mais importante ainda... falamos de PORTUGAL! Uma selecção com alguns dos melhores jogadores do mundo, responsável por alguns dos maiores "craques"da história do futebol entre os quais constam três nomes eleitos como "Melhor do Mundo" (Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo). Temos o dever... melhor... a obrigação de fazer melhor!

Óbvio que os jogadores têm culpa no cartório... São eles que estão em campo, autores de todo o desenrolar "causa/efeito" que se deveria traduzir em vitórias e sucessos desportivos! Não obstante disso, o seleccionador é, e será sempre, tomado em conta, como a "cara" da equipa, sendo sempre considerado o arguido principal num banco cheio de réus (entre os quais constam Presidente da Federação, adjuntos, equipa técnica e, claro está, jogadores!). Neste caso acredito piamente que Queiroz é de facto o "homem a abater", contrariando a ideia que alguns evocam de que é um bode expiatório. Observem o sub-rendimento da nossa selecção... denotem a quantidade de polémicas e problemas que surgiram... ainda não tínhamos atingido a época do Mundial e já estávamos cientes do problema (e erro crasso) que tínhamos entre mãos com este senhor! Mas tendo ele assinado um contracto de duração (em prol do contracto "por objectivos)... só mesmo com um caso polémico/mediático é que conseguimos correr com ele, havendo assim "causa justa". Lamentável que tenha chegado a este ponto, onde FPF continua a "dar tiros nos pés" de forma recorrente, na esperança de rectificar os seus erros... Já não bastavam os mil problemas que tinhamos entre mãos (Economia, escândalo Casa Pia, etc.) agora ainda temos que lidar com crises num sector onde supostamente somos bons... "o futebol"!

2 comentários:

André disse...

O problema é que hoje há cada vez menos selecções (e equipas) acessíveis. É a Noruega, é um facto, mas apesar de tudo têm alguns jogadores de qualidade (e faltava lá o Riise, por exemplo). Qualidade suficiente para, de uma forma colectiva, parar qualquer equipa que assente tão-só em acções pífias individuais.

Qualquer bom colectivo no futebol do séc XXI dá baile a um conjunto de Nanis e Quaresmas. E melhor que ninguém, Mourinho, por exemplo, demonstrou isto mesmo quando elimina o super Barcelona com super jogadores (60% do onze campeão mundial, já agora).

Mas é como tu dizes, isto já não vem de agora. Já vem de há muito. Foi o ai jesus para nos qualificarmos para o Mundial 2010, mas também o foi com Socolari para o Mundial 2006, não esquecer. Para mim os melhores tempos foram sem dúvida os de 2000. Mais ainda do que em 2004. Nesses tempos tinhamos bons jogadores, tal e qual como hoje, mas para além dos jogadores, havia também um fio de jogo, e havia colectivo; hoje como não há, é com muita naturalidade que Portugal obtém estes resultados ranhosos. E irá continuar a ter.

Um abraço!

D.M disse...

Percebo o que queres dizer, mas não acho aceitável. Noruega, por bons jogadores que tenha, grande maioria não sabe o que é futebol ao mais alto nível.

Falamos de ausências.. nós também temos umas quantas (a começar pelos jogadores que renunciaram recentemente passando pelas lesões por exemplo de Varela e CR) Seja como for, não digo isto para justificar a nossa falta de competência, mas apenas para equilibrar no que toca à falta de jogadores influentes.

Fio de jogo não existe, criatividade zero e nem um "coelho da cartola" (como por vezes costumam surgir daqueles jogadores que mais desequilibram). Por muito organizados e competentes q sejam, qq equipa que se preze (e com a qualidade que nós "temos") deveria ter argumentos para desfazer essa coesão/organização adversária!

Entretanto, falando no Scolari... este mm apurando-se "arrasca" conseguiu fazer uma boa campanha, algo que o Queiroz nunca o fez desde que tomou rédeas da selecção! E mais! Pelo menos uma coisa com o Felipão era evidente... união! Nos temos que correm... Portugal parece completamente desfeito!

Vamos continuar a ter maus resultados vamos... a não ser que mudemos de treinador e também atitude! Os adversários vão continuar os mesmo e vão ter o mesma sistema montado... Portugal é que será diferente (e espero para melhor). Acredita nisto