sexta-feira, dezembro 31, 2010

The New Year




so this is the new year.
and i don't feel any different.
the clanking of crystal
explosions off in the distance (in the distance).

so this is the new year

and I have no resolutions
for self assigned penance
for problems with easy solutions

so everybody put your best suit or dress on

let's make believe that we are wealthy for just this once
lighting firecrackers off on the front lawn
as thirty dialogues bleed into one

i wish the world was flat like the old days

then i could travel just by folding a map
no more airplanes, or speedtrains, or freeways
there'd be no distance that can hold us back.

there'd be no distance that could hold us back (x2)


so this is the new year (x4)

The Ghost Writer (2010) | Fair Game (2010)




















São dois dos filmes que vi recentemente mas que por um motivo ou outro acabei por adiar o seu respectivo comentário. Tendo sido ambos  bastante do meu agrado, não podia deixar de fazer referência no blog, ainda para mais num ano onde escasseiam filmes merecedores de um top 2010, que estará certamente para breve.

(nota: não quero dizer com isto que não houve este ano filmes bons... apenas acho que a qualidade técnica da realização em conjunto com efeitos especiais e afins é que tomaram de assalto as salas de cinema, em oposição aos argumentos fortes e representações de luxo. Além do mais, faltam-me ainda ver alguns filmes considerados potenciais candidatos a essa lista.)

The Ghost Writer (2010), é um filme realizado por Roman Polanski, um dos grandes génios da velha guarda ainda no activo. Polanski que além de realizar, adaptou a obra e escreveu os diálogos com Robert Harris (o autor da obra The Ghost, no qual o filme se baseia). O filme contou com um elenco forte liderado  por Pierce Brosnan e Ewan McGregor (como só eles sabem), enquanto trabalhando no fundo (mas com a devida visibilidade e importância) temos Olivia Williams, Kim Catrall, Tom Wilkinson ou James Belushi (apenas para citar os nomes mais ilustres). 

Um filme com contornos bastante políticos, vemos o seu estilo bastante assente naquilo em que Polanski é mestre, e isso é o Thriller. Mantendo a audiência sempre na expectativa à espera de novos desenvolvimentos, é necessário chegarmos ao fim do filme para sentirmos algum nível de closure, que na verdade nunca chega na sua dimensão completa.

Apesar de ter feito furor na 23º Festival de Cinema Europeu, não digo que vos vai deixar boquiabertos, mas não deixa de ser um óptimo filme com Polanski a mostrar que o seu estilo de realização não se encontra desactualizado (nem nunca estará) e que ainda se consegue adaptar aos tempos modernos.



Fair Game (2010) à semelhança do primeiro filme, também carrega uma história muito politica e neste caso verídica!

Realizado por Doug Liman e com Naomi Watts e Sean Penn (a contracenar juntos pela terceira vez nas suas carreiras) nos papeis de Valerie Plame e Joseph Wilson respectivamente, o filme recai sobre um escândalo ocorrido em 2003 conhecido por The Plaime Affair. Na base deste escândalo está a denúncia da verdadeira identidade de Valerie, que trabalhava secretamente para a C.I.A. Isto levou a que não só a sua vida pessoal fosse comprometida, mas também a vida de pessoas a quem ela estaria a assistir no decorrer das suas missões. Esta denúncia surgiu por influência de forças do governo americano com o intuito de calar o seu marido (embaixador Wilson) bem como desviar as atenções de toda a polémica em torno das decisões do governo relativamente às acções no Iraque.

Ao ver o filme na companhia de alguém que está por dentro de como funciona o sistema noticiário bem como a mentalidade americana "pós 9/11", foi mais fácil para mim estabelecer pontos de ligação na compreensão do filme. Não que haja grande ciência, mas de facto reparei que a minha reflexão era mais rigorosa, com uma análise talvez "mais factual". Incidi sobre temas como a influência da comunicação social, a fraca capacidade de interpretação, e pior ainda, a falta de vontade em procurar fontes alternativas... levando as pessoas a acreditar na informação que lhes é dada... 

É também natural pensar no abuso de poder por parte de entidades como o governo americano, não excluindo outros pelo mundo fora. Aliás, podemos deduzir que onde está o poder, é passível também encontrarmos corrupção...

Recomendo que pesquisem o material de origem do filme, porque de facto é bastante interessante.

segunda-feira, dezembro 27, 2010

Girl Talk


Apresento-vos Gregg Michael Gillis, a.k.a Girl Talk.

Girl Talk é um projecto a solo de um homem que através do seu portátil faz o mashup de várias músicas num só tema, ou seja, recorrendo a várias samples acaba por construir uma única música. Este seu projecto vem no seguimento da ideia que a música resulta de uma fórmula matemática, sendo por isso possível (e fácil) fazer a junção de vários temas de forma fluída.



Com o primeiro álbum (Secret Diary) lançado em 2002, só recentemente, através de um amigo, descobri esta maravilha musical, com o seu quarto projecto de estúdio intitulado Feed The Animals (2008). Mantive durante algum tempo este post pendente, apenas porque precisava averiguar a consistência de Girl Talk ouvindo o seu álbum mais recente All Day (2010).


Certo e sabido, o seu quinto projecto de estúdio corresponde totalmente às expectativas e surge na mesma linhagem que o primeiro. É mexido, altamente contagiante... feito com muito bom gosto e super ecléctico. São vários os estilos musicais que são misturados... desde o rock, soul, hip-hop, blues... depois temos o indie, o underground, o mainstream... e as épocas variam desde o "mais ancestral até aos dias de hoje". Quer-me parecer (má escolha de palavras pois estou convicto do que vou dizer... e acho esta afirmação bastante consensual) que o estilo predominante é o hip-hop, nem que pela força dos beats que marcam o ritmo das músicas. Não querendo isto dizer que o resto é ofuscado pelas batidas. Tenho até um momento predilecto (vá) onde os acordes de *Hunger Strike dos Temple of The Dog, com a voz do Ludacris em cima*, fazem o meu dia.

É sem dúvida um projecto que prima pela originalidade e acima de tudo pela excelente forma como Gregg Gillis executa as misturas!


*(2.39)

sábado, dezembro 25, 2010

quinta-feira, dezembro 23, 2010

Animal Kingdom (2010)



Depois de visto este filme Australiano (que já tinha anunciado em tempos no blog) passou a figurar no  meu top 5 do ano!


Baseado em alguns factos reais, muito assentes na realidade criminosa em Melbourne (Australia) Animal Kingdom (2010) anda em torno de uma família criminosa e o seu desmoronamento. Na base disso está o membro mais novo da família, Joshua, que involuntariamente envolvido naquela má vida, eventualmente acaba por tomar posição na resolução da narrativa!

Realizado por David Michôd conta com um argumento inacreditável e performances de luxo por parte de um elenco fabuloso (onde só conhecia Guy Pearce), com grande destaque para Jacki Weaver (que está absolutamente incrível no papel de avó e grande protectora - e vá... master mind - da família Cody).

Haverá certamente nomeação para esta actriz e acredito que o filme faça furor na categoria de Best Foreign Film.

Digo-vos mesmo... não percam Animal Kingdom! 

Já agora, explico a razão pela qual meti estes dois trailers. O primeiro foi retirado do YoutTube  por causade direitos de autor , e embora o segunda sirva o propósito, acho o primeiro brutalissimo por causa da música perto do fim (que diga-se, é muito adequada)



quarta-feira, dezembro 22, 2010

Venda de Natal em Cascais a favor da Associação Cultural Jam Session




Segue-se um texto retirado do blog Jazz no País do Improviso, a propósito da Venda de Natal que está a decorrer no centro de Cascais.

 

A Jam Session, associação cultural dedicada à promoção do Jazz, realiza no próximo mês de Dezembro, em Cascais, uma venda de Natal com o objectivo de angariar fundos para equipar a respectiva sede.

O evento decorre no Largo Cidade Vitória, n.º 36 (imediações do edifício da Junta de Freguesia de Cascais), e conta com quadros originais cedidos por artistas como Guilherme Parente, Roberto Chichorro, Eduardo Nery, Francisco Aquino, Nuno San-payo e Teresa Frazão. Além de pintura estarão também à venda CD’s autografados – oferecidos por músicos de Jazz portugueses – LP’s vintage, posters de grandes nomes do Jazz internacional e artigos diversos.

A Jam Session, associação cultural sem fins lucrativos, foi fundada em Novembro de 2010 por um conjunto de personalidades ligadas ao Jazz nacional (músicos, investigadores, promotores e produtores) e está sediada em Cascais, no Largo Cidade Vitória, nº 36. A sua missão principal é honrar e dar continuidade à tradição de quase 100 anos de Jazz no Concelho de Cascais.

 Aproveitem para visitar tanto o espaço (ideal nesta altura para encontrar presentes de natal) como a página de Facebook

terça-feira, dezembro 21, 2010

Toy Story 3 (2010)




A Pixar por hábito não desilude... parece não saber falhar! Não me recordo do último filme desta companhia de animação que não tenha adorado... é que nem estou a falar em níveis de aceitação "moderados" ou "pouco ambiciosos". Nada disso! Estou a falar num nível de excelência que é mantido com o decorrer dos anos... e aparentemente esse registo mantém-se em 2010 com Toy Story 3.

No que concerne a franchise "Toy Story", este seu terceiro capitulo  acompanha Woody, Buzz e companhia anos mais tarde, com Andy (o seu jovem dono) perto de completar dezoito anos e a caminho da faculdade. Andy naturalmente começa a preterir dos seus brinquedos, que pouco a pouco vieram a cair no esquecimento, tendo isto levantado algumas dúvidas no seio do grupo em relação ao afecto que este ainda teria por eles. Pelo meio surgem uns mal entendidos que despontam toda a acção principal do filme, arrastando a audiência para uma aventura nova. 

Um dos aspectos encantadores desta trilogia é a sua capacidade em fazer um acompanhamento geracional sem nunca perder norte da narrativa original e as suas personagens. Mudam o ambiente/contexto, acrescentam algumas figuras... enfim! Fazem uma série de alterações que em nada diminuem a qualidade do filme. Serão poucas as trilogias que se podem gabar de manter (e até crescer) com os avanços na história! Onde o declínio muitas vezes é esperado, e por vezes até bastante acentuado (salvo algumas excepções) em Toy Story temos exactamente o oposto! E embora antecipasse o seu sucesso, nunca pensei que fosse algo desta dimensão! É certamente um dos melhores filmes de 2010 e claramente o favorito à categoria de Best Animated Picture na próxima edição dos Oscars.

At My Heels




segunda-feira, dezembro 20, 2010

The Most Interesting Man in The World




A equipa de marketing por detrás desta campanha esmerou-se! 

Para a marca de cerveja Dos Equis (XX) criaram uma figura de culto no meio da publicidade com um nome altamente sugestivo


Eis uma compilação de anúncios









Seguem-se alguns conselhos (que infelizmente não foram inseridos nas compilações)












Esta personagem, que na minha opinião mistura traços de Barney Stinton (How I Met Your Mother) com o humor praticado à volta do Chuck Norris, despontou nas pessoas uma apetência em criar frases (quase slogans) semelhantes às usadas nos anúncios. Isto leva-me a que eu, já com plena consciência que me estou a esticar neste post, vos deixe algumas das taglines que mais me chamaram à atenção:

(fan made)

- The flight is delayed until he gets on
- He once visited the virgin islands....... now they are just called the islands
- He only lost once in his lifetime...... his virginity.
- He's the only one to know "Victoria's Secret"


(retirado de anúncios)
- Police often question him, just because they find him interesting.
- His blood smells like cologne.
- Even his enemy’s list him as there emergency contact.
- He speeks fluent French, in Russian.
- His charm is so contagious, vaccines we’re created for it.
 - He is the life of parties he has never attended
- If he were to punch you in the face, you’d have to fight off the urge to thank him
- He's a lover, not a fighter... but he's also a fighter, so don't get any ideas 
- He once had an awkward moment, just to see how it feels. 

The Man


by: Patto

domingo, dezembro 19, 2010

Everlast



Ontem no carro, com iPod na mão, decidi correr a lista de artistas à procura de algo que já não ouvisse há bastante tempo...

Nisto deparo-me com Erik Schrody, mais conhecido como Everlast... 

Para muitos o líder do grupo House of Pain (reconhecível para as grandes audiências através do seu single Jump Around), para outros é apenas o artista a solo responsável por What it's Like, considerado o seu grande sucesso...

Para mim é um MC tremendo que conseguiu conjugar a sonoridade acústica de uma guitarra com batidas e letras derivadas do mundo do hip-hop de forma perfeita! É um estilo a que associo instintivamente a Everlast, por mérito próprio deste...

Deixo aqui o tema que carrega grande nostalgia na minha vida de liceu (Black Jesus), seguido de What it's Like!



sexta-feira, dezembro 17, 2010

Carlos Pinto Coelho (1944 - 2010)

Por lapso (e não por falta de respeito ou admiração) só hoje coloquei aqui este post!

Carlos Pinto Coelho, homem da cultura e da informação

"O Sr. Acontece" é um das grandes referencias na minha área, e como tal, não podia deixar de lhe prestar tributo no "Tão Simples Quanto Isso"









Blake Edwards (1922 - 2010)


Um dos grandes cineastas que deambulou por esta "Terra"...
... mas não é só nessa vertente que o admiro ...

Enquanto principal responsável pela "Pantera Cor-de-Rosa" é natural que esteja associado a muitas das minhas memórias de infância, visto que a Pink Panther foi uma das personagens mais presentes enquanto cresci...

Haverá certamente uma homenagem (digna do seu nome) na edição deste ano dos Oscars...








Artigos






Sábado - Rádio Radar


"Hora do Bolo"

Sábado, dia 18, por volta das 17h00 estarei na Rádio Radar para uma hora de emissão.



quinta-feira, dezembro 16, 2010

Don't You (Forget About Me)



Não pude deixar de colocar este grande clássico, como forma de complementar o post anterior.

Um grande tema que assenta na perfeição à década de 80 e tudo aquilo que trouxe consigo!
(onde - por força desta música - saliento John Hughes e o filme The Breakfast Club)

quarta-feira, dezembro 15, 2010

Easy A (2010)




Easy A (2010) é uma comédia juvenil que conta com a assinatura do (para já) desconhecido Will Gluck, juntamente com argumento escrito por Bert V. Royal.

O filme conta a história de Olive Penderghast (Emma Stone), uma adolescente que passa maioria do seu tempo no liceu completamente despercebida, até ao dia em que um falso rumor (ao qual ela contribuiu para a sua criação) começa a circular pela escola. Este incidente eventualmente conduz a uma situação em que um rapaz gay, consciente de que o rumor não corresponde à verdade, lhe pede para o "assistir" numa história em que ele vai para a cama com Olive, com intenção de o ilibar dos preconceitos em torno da sua orientação sexual. Inicialmente contra esta ideia, Olive lentamente começa ficar reticente com a sua decisão... até que,  de boas intenções, lhe diz que sim! Isto abre uma série de precedentes... com muitos rapazes a fazer requisitos semelhantes em busca de melhorar a sua imagem "social" dentro do meio que é o liceu.
Olive encontra também alguns privilégios por aceder a estes pedidos. Começa por ser retribuída em notoriedade, passando depois a ser paga em dinheiro e "cheques-vale" em várias lojas/serviços, no entanto, rapidamente se apercebe que o preço a pagar é demasiado elevado e que no good deed goes unpunished (uma frase que tenho ouvido bastante e parece fazer sentido neste caso).

Com Emma Stone em muito bom plano (esta jovem de 22 anos promete), contamos ainda com variadíssimos actores que acredito que satisfarão vários tipos de audiências... desde Thomas Haden Church (sou um grande fã desde que o vi brilhar no filme Sideways, de Alexander Payne), Patricia Clarkson e Stanley Tucci (dois tremendos artistas, que já tive oportunidade de ver contracenar juntos em Blind Date, curiosamente realizado pelo próprio Tucci), Malcom McDowell (eterno "Alex" do filme A Clockwork Orange, de Stanley Kubrick) ou Lisa Kudrow (a carismática e engraçada Phoebe da série Friends).


Em termos do estilo e influências deste filme, começamos com  The Scarlet Letter (obra escrita por Nathaniel Hawthorne) a que o argumentista vai buscar muita inspiração... mas não só!

Easy A é um teen movie que se apresenta quase como uma versão contemporânea dos filmes tornados célebres por John Hughes. Este realizador transformou durante os anos 80 um estilo de filmes num género próprio, através de obras como Sixteen Candles (1984), The Breakfast Club (1985) ou Ferris Bueller's Day Off (1985). Isso só por si agarra-me de uma maneira muito forte, dado a minha imensa admiração pelo já falecido realizador/argumentista e os seus trabalhos (muitos dos quais considerados cult classics). E temos um pouco de toda a sua filmografia presente em Easy A, através das muitas referências durante todo o filme, ao realizador e o seu trabalho, passando pela descrição de algumas cenas retiradas dos seus filmes, acabando com a utilização do tema Don't You (Forget About Me), grande clássico do grupo Simple Minds,(tornado popular em Breakfast Club).

E é a falar neste tema que vos quero apresentar à banda-sonora deste filme, cujo ainda não tive oportunidade de arranjar, no entanto arrisco-me a dizer que não é nada por aí além (assim pareceu pelo que vi/ouvi do filme)... mas não deixa de ter uma ou duas (boas) malhas. Desde os já mencionados Simple Minds, passando por Death Cab for Cutie com Transatlanticism, If You Were Here de Cary Brothers ou uma descoberta (muito pop e adequada ao filme), Change of Seasons dos Sweet Thing (música aqui).

Dentro do género, é provavelmente o melhor que vi este ano... recomendo!

"Parabéns a você"




Hoje há festa garantida!


terça-feira, dezembro 14, 2010

Compilação "Filmografia 2010"


No mínimo genial!

Apesar de ter um ou outro filme de 2009 (certamente terá sido um lapso), este trabalho não perde o seu mérito...

Óptima execução na edição, na escolha de músicas e material!

Muitos terei visto e até escrito no blog, outros desconfio serem tão maus que recuso-me a perder tempo com eles... alguns estão só à espera de ser vistos!
Seja como for, um ano rico em termos de cinema!

Giggs will tear you apart again



Enquanto adepto que sou do Man United (a par do Benfica, a única equipa que mexe comigo), ontem não pude deixar de ver um grande clássico que determinaria o primeiro classificado, quando estamos quase no final da primeira volta. 

Durante o jogo contra a jovem equipa do Arsenal, deparei-me com um cartaz (semelhante à imagem) no meio da bancada aquando da entrada de Ryan Giggs em campo. Achei fantástico, não só por causa da música onde se inspira (Love Will Tear Us Apart dos Joy Division) mas também porque é extremamente adequado ao que é para mim, um dos melhores extremos da história deste desporto.

The View


by: Modest Mouse

As life gets longer, awful feels softer.
Well it feels pretty soft to me.
And if it takes shit to make bliss,
then I feel pretty blissfully.

segunda-feira, dezembro 13, 2010

Despicable Me (2010) | Mega Mind (2010)





















Apresento-vos dois dos últimos filmes que vi recentemente... Despicable Me e MegaMind (2010), ambos de animação e com uma premissa (em muitos campos) semelhante.

É caso para dizer que são filmes concorrentes por todos os factos em torno destas longas-metragens. São de estúdios "rivais"(Universal e Dreamworks), saíram praticamente na mesma altura e andam em torno de vilões/heróis.
Como habitual neste género de filmes, temos um leque de actores conhecidos que dão voz às personagens... Enquanto em Despicable Me se destaca Steve Carell enquanto protagonista, em MegaMind cabe a Will Ferrel assumir a "voz principal". Naturalmente, a escolha destes dois actores não acontece por acaso, visto que são household names nos Estados Unidos, principalmente ligados ao mundo da comédia!

Foi bom ver que estas duas animações conseguiram coexistir, partilhando sucesso comercial e nas criticas. Eu achei as duas capazes de bom entretenimento, sendo para mim difícil atribuir favoritismo, apesar de existir um consenso que realça Despicable Me. Em termos de maior diferenciação (se é que existe alguma) este parece ser destinado a um target mais infantil, não sendo por isso um "produto" descabido para faixas etárias mais velhas... Ahh e têm uma boa banda-sonora, composta por Hans Zimmer (que curiosamente também é responsável pela de MegaMind) e Pharrell (dos N.E.R.D e Neptunes). 



sábado, dezembro 11, 2010

Óptima estreia - Avi Buffalo




Assim de repente, dei por mim a ver filmes e a ouvir álbuns de 2010, de forma a ter uma base sólida para fazer o meu Top 10 do ano para o blog. Ficou tudo para a véspera porque normalmente dou prioridade ao que mais antigo tenho no computador...

No que toca a música, apanhei projectos muito bons mas houve um que me chamou imediatamente à atenção...

Falo do álbum homónimo dos  Avi Buffalo (demonstrado na capa acima), que representa a sua estreia no cenário musical. A banda californiana oferece, na minha opinião, um dos melhores projectos de 2010, e como tal, recomendo que "percam" algum tempo a descobrir mais uma "coqueluche indie".

Fiquem com o primeiro single do seu album

What's In It For?

sexta-feira, dezembro 10, 2010

Choo Choo


by: Arctic Monkeys

(como é que este tema não foi lançado num cd... permanece um grande mistério! great track)

Quero ver "The Beaver"


Acredito que isto seja um filme que divide muitas pessoas...

Primeiro porque a premissa corre o risco de parecer ridicula... mas eu acho interessante!
Depois porque conta com o Mel Gibson no papel principal... e como se sabe... parece que ele perdeu a cabeça!

Seja como for, eu sou grande adepto do Mel, bem como da Jodie Foster. Ela além do seu papel enquanto actriz, é também a realizadora e isso já é razão de querer ver como é que ela se porta por detrás da câmara... 

quinta-feira, dezembro 09, 2010

Bad Influence


Eu há muito que ando a adiar uma rubrica aqui neste blog, em que semanalmente faço um post sobre um dos meus guitarristas favoritos. E não é hoje que vou começar, mas posso-vos adiantar já o seguinte: Robert Cray é sem dúvida um dos eleitos. E hoje apeteceu-me partilhar uma malha dele. É discreta mas não deixa de ser uma composição interessante até porque há quem se consiga identificar com ela. Blues tem disto... é um estilo que parece estar para os Americanos, como o Fado está para os Portugueses. Contam histórias, muitas delas sobre os dissabores da vida. Neste caso foca as relações amorosas, ou melhor, uma relação amorosa. A escolha recaiu sobre este tema apenas por ser das músicas do Sr. Cray que mais gosto... porque interesso-me sempre no que o homem tem para dizer.

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Herbie Hancock @ Campo Pequeno - 07.12.10




Ontem tive a enorme felicidade de poder marcar presença no Campo Pequeno para assistir a um concerto de Herbie Hancock! Embora não seja propriamente o seu fã nº 1, reconheço-lhe o devido talento e influência no cenário musical, nomeadamente na conversão do Jazz para um misto que funde Soul, Funk, Hip-Hop e música electrónica. Podemos dizer que é um todo-o-terreno, que sempre se procurou destacar pelas experiências... e parece que aos 70 anos, embora tendo abrandado um pouco o seu ritmo, não abdica da procura de inovação.

Começou a sobressair-se junto de Miles Davis, uma das figuras incontornáveis do jazz, que também ele à semelhança de Hancock, era dado às experiências... sendo responsável por um movimento de fusão do hip-hop com o jazz... Hancock porém, trouxe outras coisas para cima da mesa... nomeadamente os sintetizadores, o seu "instrumento imagem de marca" (se é que podemos recorrer de tal definição). Com este acréscimo (entre outros) conseguiu converter o jazz para um estilo mais próximo do "comercial", tendo com isto atingido sucesso imediato, que estendendo-se aos dias de hoje, o tornaram um dos músicos mais reconhecidos mundialmente.

Ontem esteve em Lisboa para promover o seu mais recente álbum intitulado The Imagine Project, uma clara homenagem a um dos maiores compositores que passeou o mundo, o lendário John Lennon. 
Lennon como se sabe, era um activista! Um defensor do equilíbrio, da justiça e paz. Usando o antigo Beatle como principal referência, os músicos em palco procuraram através da música propagar esses princípios, salientando que é fundamental a união do mundo, algo que depois da abertura do concerto, o próprio Hancock destacou no momento em que se dirigiu ao público, tendo este feito questão em demonstrar apreciação pelo seu esforço tão bem intencionado.

Continuou então o resto do concerto, que até metade não me estava a cair muito bem. Não digo que não fosse bom, apenas não fazia muito o meu género, tal forma era mesclada a música... 
Perdi-me inúmeras vezes, tendo decidido a certa altura focar-me singularmente em alguns membros da banda de forma a conseguir fazer uma avaliação mais precisa do que estava em palco. 
A banda é boa (e nisto incluo Kristina Train, cantora convidada a acompanhar a digressão)... não há dúvidas disso, mas há um membro que se destaca claramente, a quem responsabilizo a subida de produtividade na segunda metade do concerto. Falo do teclista Greg Phillinganes que além de bom músico, demonstrou ser um "braço direito" de Hancock pela forma como assumiu liderança em palco e como criou desde cedo empatia com a audiência. Ah! e o melhor estava para vir! Philinganes reservava um talento que muitos pareciam desconhecer, mas Hancock bem nos avisou... o homem canta!

Seguiram-se outras músicas, na maioria reinventações de temas como Don't Give Up (popularizado num dueto por Kate Bush e Peter Gabriel), So What (um clássico do Jazz, interpretado por vários mas imortalizado por Miles Davis) ou Imagine de Lennon. Esta última, achei talvez um tanto pouco insípida apesar do esforço em quererem centrar uma homenagem (muito apropriada convenhamos) ao seu autor. Imagine é uma das minhas composições favoritas, e não querendo dizer que deveria ser um tema intocável, sou da opinião que os arranjos proporcionados por "Hancock e companhia" dão-lhe uma condição débil (atenção: a minha opinião é suspeita). 

Houve ainda tempo para uma medley composta pela junção de dois temas... The Times They Are a-Changin' (Bob Dylan) e A Change is Gonna Come (Sam Cooke). Ambas as músicas escritas sob o signo da revolução e defesa dos direitos humanos, marcam um dos momentos altos da noite com Greg Philinganes a brilhar com o seu imenso (e portentoso) vozeirão, que além de criar um ambiente electrizante (as pessoas estavam completamente rendidas ao seu talento), até pareceu intimidar a jovem Kristina Train, também ela detentora de uma belíssima voz.

Ao fim de quê? 2 horas de concerto? (perdi noção do tempo) deu-se a "despedida" que minutos depois deu espaço ao habitual encore. Com o fim deste, Herbie Hancock e os restantes elementos saúdam o público ao som de Rockit, um dos seus grandes clássicos mais ligados ao hip-hop e electrónica (melhor som para breakdance, não há!). As pessoas ali presentes estão completamente em êxtase, principalmente devido ao último reduto do espectáculo que foi de facto mais intenso e colorido.

Não havendo ainda muito na net disponivel, deixo-vos Rockit e A Change is Gonna Come (muito semelhante ao que tivemos oportunidade de ver no Campo Pequeno).




Concerto - SOS Racismo


 Começa hoje no Clube Ferroviário, em Lisboa.

Presenças de Maria Viana & Daniel Hewson, J.P Simões, King Mokadi, entre outros.

info aqui
[1] [2] [3]

You May Say I'm a Dreamer...


... But I'm Not The Only One...

- 30 anos depois -


domingo, dezembro 05, 2010

Temas que marcam tempos!

Inicialmente este post era para ser única e exclusivamente dedicado à partilha do tema All My Friends
Isto é algo que acontece pela terceira ou quarta vez neste espaço, mas desta com um propósito que vai além fronteiras da mera colocação do vídeo. Agora o objectivo seria de falar da importância da música na nossa sociedade musicalmente contemporânea, inclusive partilhando a letra escrita por James Murphy, que oferece, de uma forma bastante profunda diria eu, uma visão do "crescimento" (entre outros temas). 

All My Friends descreve diferentes fases da nossa vida... de quando um jovem se torna adulto e quando tenta agir em conformidade com aquilo que supostamente lhe é exigido. E pelo caminho ficam as experiências, as lembranças, as boas (mas também muito importantes) más decisões... que fazem de nós aquilo que somos... longe de sermos um produto acabado é certo, mas cada vez mais perto daquela que será porventura a nossa "identidade"... Seja como for, nesta fase mais conhecida como emerging adulthood, olhamos em retrospectiva para todos os nossos feitos e sabemos que por entre todas as incertezas que a vida nos oferece, podemos-nos fiar na certeza de termos "todos os nossos amigos" para nos acompanhar. Esta é uma das várias leituras que faço da música, sabendo que não se restringe a uma situação em concreto pois a reflexão aqui feita (por J.Murphy) incide no fundo sobre a  "vida" (por muito vago que esteja a ser com o termo, acho que ouvindo a letra, percebem o que quero dizer). 


Ficaria-me por aqui, contudo, optei por estender essa menção honrosa a All My Friends, a outros dois temas, para mim de igual importância. Falo de This Modern Love, propositadamente deixada de parte no post referente aos Bloc Party e Sweet Disposition dos Temper Trap (esta é uma música pela qual quase me auto-proclamo como a pessoa que a "espalhou", pois ainda não se ouvia falar de Temper Trap, já eu tinha conhecimento da existência dessa música. É daquelas coisas que estupidamente gosto de me vangloriar)

All My Friends/This Modern Love/Sweet Disposition estão para LCD Soundsystem/Bloc Party/Temper Trap respectivamente, como Bohemian Rhapsody está para os Queen ou Stairway to Heaven está para os Led Zeppelin, ou seja, ostentam do estatuto das suas grandes obras-primas.
São os temas que os definem enquanto bandas e que marcam não só a época em que nascem (claramente entre os melhores temas dos anos 00), mas toda a geração que os ouve, e arrisco-me a dizer, toda uma eternidade. São as músicas que ficam para a história! E claramente constam na banda-sonora da minha vida  não só pela presença assídua, mas  também pela importância emocional nas verdades que relatam e naquilo que ensinam/relembram...



That's how it starts
We go back to your house
We check the charts
And start to figure it out
And if it's crowded, all the better
Because we know we're gonna be up late
But if you're worried about the weather
Then you picked the wrong place to stay
That's how it starts

And so it starts
You switch the engine on
We set controls for the heart of the sun
One of the ways we show our age
And if the sun comes up, if the sun comes up, if the sun comes up
And I still don't wanna stagger home
Then it's the memory of our betters
That are keeping us on our feet


You spent the first five years trying to get with the plan
And the next five years trying to be with your friends again
You're talking 45 turns just as fast as you can
Yeah, I know it gets tired, but it's better when we pretend

It comes apart
The way it does in bad films
Except in parts
When the moral kicks in
Though when we're running out of the drugs
And the conversation's winding away
I wouldn't trade one stupid decision
For another five years of life

You drop the first ten years just as fast as you can
And the next ten people who are trying to be polite
When you're blowing eighty-five days in the middle of France
Yeah, I know it gets tired only where are your friends tonight

And to tell the truth
Oh, this could be the last time
So here we go
Like a sales force into the night
And if I made a fool, if I made a fool, if I made a fool
on the road, there's always this
And if I'm sewn into submission
I can still come home to this

And with a face like a dad and a laughable stand
You can sleep on the plane or review what you said
When you're drunk and the kids leave impossible tasks
You think over and over, "hey, I'm finally dead."
Oh, if the trip and the plan come apart in your hand
Tou look contorted on yourself your ridiculous prop
You forgot what you meant when you read what you said
And you always knew you were tired, but then
Where are your friends tonight

Where are your friends tonight
Where are your friends tonight

If I could see all my friends tonight









Oh Me



sábado, dezembro 04, 2010

Relembrar "Silent Alarm"



1. Like Eating Glass
2. Helicopter
3. Positive Tension
4. Banquet
5. Blue Light
6. She's Hearing Voices 
7. This Modern Love
8. Pioneers
9. Price of Gas
10. So Here We Are
11. Luno 
12. Plans
13. Compliments 


Um pouco à semelhança do que escrevi sobre os The Killers, irei fazer o mesmo com os Bloc Party. Digo isto tendo por base dos meus argumentos o facto de, depois de um primeiro album espectacular, nunca mais terem conseguido retomar um caminho que parecia altamente promissor (embora goste de A Weekend in The City e Intimacy, este último tendo levado mais tempo do que é normal a apreciar, sendo uma grande influência o concerto que vi em Portimão para a minha "aceitação").

Existe contudo uma enorme diferença no que toca o impacto que as bandas (Killers e Bloc) tiveram em mim. Enquanto Hot Fuss marcou uma época/ano, Silent Alarm (2005) é daqueles álbuns que marca uma vida! Sem falhas absolutamente nenhumas, é um dos meus cd's favoritos que do principio ao fim evocam diferentes fases, momentos e sentimentos... sejam através das baladas This Modern Love ou Blue Light... ou através de temas mais mexidos, impregnados de juventude e histórias como Helicopter e Banquet.
Em total sintonia, todos os membros do grupo são fortes no seu contributo. Adoro a velocidade de execução e violência com que Matt Tong ataca a bateria, adoro a forma como Kele se entrega às suas letras, os riffs de guitarra fortíssimos de Russ Lissack  e o ritmo imposto pelo baixo de Gordon Moakes. Juntos fazem uma unidade excepcional que na procura de se distinguirem (cedo demais) tentaram alternar no seu estilo como quem diz que não estão ali para tocar sempre as mesmas coisas. 

Aprecio a tomada de riscos, mas acho que neste caso não surtiu o devido efeito, tendo com isto perdido parte da sua legião de fãs! Depois disto seguiu-se o desmoronamento da banda com a decisão de Kele em enveredar uma carreira a solo, onde a electrónica predomina de forma acérrima, mas sem encantar (mas aqui a minha opinião é suspeita visto que não sou o maior fã desse estilo musical).

Posto isto, quero concluir esta espécie de tributo (quase nostálgico) ao colosso indie que é Silent Alarm, primogénito de uma banda que levo comigo no coração e, claro está, no meu iPod!






sexta-feira, dezembro 03, 2010

Unstoppable (2010)



Belíssimo "filme pipoca"! Um blockbuster de final de ano com o selo de qualidade Tony Scott (algo que para muitos podem nem valer de nada, depois do recente fracasso - segundo os "entendidos" - que foi The Taking of Pelham 123)!

Eu que até há pouco tempo não estava nada entusiasmado com o filme (o trailer pareceu deixar muito a desejar), dei por mim a mudar subitamente de opinião quando comecei a ler algumas das criticas... 
Foi o consenso geral do site RottenTomatoes que me convenceu ao dizer que este era talvez o melhor filme de T.Scott em anos! 

Ora, acho isto talvez um pouco descabido... a não ser que se estejam apenas a referir à parte técnica, porque de facto este filme está impecavelmente bem executado, no entanto, em termos "gerais" continuo a achar Man On Fire (2004) um trabalho mais "à frente" - isto para não falar dos mais antigos como The Last Boy Scout  (1991) ou True Romance (1993)! Seja como for, as boas criticas fazem-lhe jus! 

Unstoppable (2010), que é baseado numa história verídica, consegue fazer proveito de um argumento "banal" (não é que haja muito de banal num comboio descontrolado... mas é um pouco como ver uma peça mediática no telejornal e decidir transforma-la num filme) acrescentando-lhe (em doses certas) algum "exagero" de forma a tornar a acção mais interessante! Eu pelo menos assim achei... Nunca deixei de estar entretido e mesmo já sabendo o desfecho do filme, envolvi-me com a narrativa e as suas personagens de uma forma bastante intensa... mérito de Scott mas também da dupla Denzel Washington e Chris Pine que nos arrastam para os seus dramas pessoais inseridos num ambiente onde o terror do "comboio à solta" é o que define o ritmo (acelerado) do filme.

Seguem-se algumas criticas que na minha opinião resumem (in a nutshell) o último trabalho do veterano Tony Scott...

Scott shoots and edits Unstoppable with roller-coaster momentum and an eye (and ear) on that roaring tonnage of steel. 

(Stephen Rea - Philadelphia Inquirer)

"Unstoppable" is as good as its name. A runaway train drama that never slows down, it fashions familiarity into a virtue and shows why old-school professionalism never goes out of style.  

(Kenneth Turan - Los Angeles Times)

Given the linear, one-track nature of the plot, Scott and Bomback prove surprisingly effective at delivering a well-rounded experience, going out of their way to fill in the personalities of their two leads. 

(Peter Debruge - Variety)

The movie is as relentless as the train, slowly gathering momentum before a relentless final hour of continuous suspense. In terms of sheer craftsmanship, this is a superb film. 
 

(Roger Ebert - Chicago Sun-Times)

quinta-feira, dezembro 02, 2010

The Specialist


by: Interpol


You could be young, but you're out of touch
If this love's been done, then what's your rush?

Foo Fighters no OPTIMUS ALIVE!


Confirmados para dia 7 de Julho! 

Começamos bem!!!

Acompanhem mais novidades no site...


quarta-feira, dezembro 01, 2010

Mr. Brightside

É pena que depois de um primeiro álbum muito bom, os The Killers nunca mais tenham conseguido fazer algo dentro do mesmo nível... - Sam's Town e Day & Age foram grandes desilusões - e se os futuros projectos (já se fala de um novo álbum para o ano) forem comparados com Hot Fuss, então naturalmente a fasquia será bem alta. Seja como for, perduram  ainda vários temas que fizeram dos Killers uma das minhas bandas favoritas de se ouvir em 2004.

Mr. Brightside, na minha opinião o seu melhor single, é uma música que cada vez mais parece fazer "sentido" e como tal, apesar de provavelmente não estar a apresentar nenhuma novidade, pareceu-me certo colocar este tema hoje (além de que é bom recordar).

(Se estiveram na festa ontem do Casino, esta não é propriamente a melhor música para ressacar, mas não deixa de ser uma grande malha!)




I'm coming out of my cage
And I've been doing just fine
Gotta gotta be down
Because I want it all
It started out with a kiss
How did it end up like this
It was only a kiss, it was only a kiss


Now I'm falling asleep
And she's calling a cab
While he's having a smoke
And she's taking a drag
Now they're going to bed
And my stomach is sick
And it's all in my head
But she's touching his-chest
Now, he takes off her dress
Now, letting me go

And I just can't look its killing me
And taking control


Jealousy, turning saints into the sea
Swimming through sick lullabies
Choking on your alibis
But it's just the price I pay
Destiny is calling me
Open up my eager eyes
'Cause I'm Mr Brightside

I'm coming out of my cage
And I've been doing just fine
Gotta gotta be down
Because I want it all
It started out with a kiss
How did it end up like this
It was only a kiss, it was only a kiss


Now I'm falling asleep
And she's calling a cab
While he's having a smoke
And she's taking a drag
Now they're going to bed
And my stomach is sick
And it's all in my head
But she's touching his-chest
Now, he takes off her dress
Now, letting me go

Cause I just can't look its killing me
And taking control


Jealousy, turning saints into the sea
Swimming through sick lullabies
Choking on your alibis
But it's just the price I pay
Destiny is calling me
Open up my eager eyes
'Cause I'm Mr Brightside

I never...
I never...
I never...
I never...