quarta-feira, maio 26, 2010

Atenção nas afirmações!

Isto é uma daquelas self-notes que solicito ao meu subconsciente para que faça o favor de a salientar sempre que possa. Desta forma evito conflitos, polémica e disparates! Aplica-se a várias situações, sendo aquela que venho aqui mencionar estar associada... à música!

Em tempos quando ouvia música brasileira, prontamente disparava um "não suporto isto"! Esta afirmação é estúpida, por ser totalmente parcialmente incorrecta. A pronunciação de tal "blasfémia" ocorria sempre que me chegava ao ouvido algo associado aos "Netinhos, Fáfá's, Bandas Eva, Ivetes, funk's e companhia". Isso sim é música de que não gosto, não tolero, não suporto! Contudo, nem tamanha raiva perante estes artistas "aclamados" tanto no Brasil como Portugal, me desculpam pelas minhas palavras pouco reflectidas. Em parte, é natural que afirme não apreciar pois era sobrecarregado com a música popular brasileira... São as amigas que não se calam com os concertos (o insuportável "tira o pé do chão")... é na noite (e principalmente durante o verão), é isto e aquilo... enfim. O meu cérebro fica instantaneamente "rotinado" para associar toda esta tendência à música brasileira. Foi apenas depois de respirar fundo e esperar que algum sentido de tranquilidade assumi-se controlo do meu corpo, que filtrei informação e tomei consciência. São vários os grupos que aprecio... ligados aos mais ínfimos e diferentes panoramas musicais. Capital Inicial, Kid Abelha para o acústico mais soft; "Esquadrilha da Fumaça" (Planeta Hemp), Charlie Brown Jr... o hip-hop com o nosso conhecido Gabriel, O Pensador e a sensação dos últimos anos, Marcelo D2... preenchem o meu disco rígido, telemóvel e outros acessórios que suportem mp3.

Mas o que realmente me torna um verdadeiro apaixonado pela música brasileira (e também um criminoso e ordinário pelas profanidades ditas em certas ocasiões) é inquestionavelmente a Bossa Nova. É música que transpira elegância, sofisticação, uma riqueza infinita quando nas "mãos" de artistas como António Jobim, Chico Buarque, Sérgio Mendes, João Gilberto, Elis Regina, Vinicius De Moraes, entre outros...

Uma fusão de samba com jazz (este vincado acerrimamente), fora outras mesclas... Bossa Nova cai sempre bem seja qual for o ambiente. Exemplo disso ... sou eu hoje no trabalho. Entrei a curtir largo uma compilação do Sérgio Mendes e chego a casa para digerir compulsivamente mais e mais sons desse grande pianista e compositor!

Tratem de arranjar:


(este álbum - Pure Bossa Nova - são temas instrumentais... uma delicia!)

Quis escolher uns quantos temas do primeiro álbum mencionado e acabei por me exceder e colocar 8 faixas. Foi muito dificil para mim deixar músicas de fora... Algumas das mais óbvias (Wave, Mais que nada, etc) foram preteridas propositadamente. Confiem no meu gosto! (se bem que aqui não há muito como falhar... é tudo bom)


Um comentário:

Joaquim Quadros disse...

Só 4 é que dão, os outros foram retirados.