segunda-feira, março 08, 2010

Complemento...


... ao que foi escrito/dito por mim sobre os Oscars!

Escrito por João Lopes, retirado do blog sound + vision

J.L.: O regresso às 10 nomeações para melhor filme (não acontecia desde 1943, quando ganhou Casablanca) decorre menos dos filmes e mais da... televisão. Ou melhor: face ao descréscimo regular das audiências da cerimónia dos Oscars, em Hollywood prevaleceu a noção segundo a qual era preciso "encaixar" alguns grandes sucessos de bilheteira nos nomeados para garantir mais telespectadores. É uma visão porventura pertinente, mas limitada: genericamente, as "novas" audiências têm muito pouco (ou nenhum) espírito cinéfilo e são estranhas ao imaginário clássico que sustenta os Oscars e as suas componentes artísticas, industriais e até afectivas. Neste contexto, o vencedor "obrigatório" é Avatar, quanto mais não seja porque, em tempos de crise, Hollywood não se pode dar ao luxo de ignorar um filme que, de facto, conseguiu um relançamento comercial do cinema como fenómeno de massas. Premiar Estado de Guerra seria consagrar a dimensão humanista de Hollywood, de John Ford a Sam Peckinpah. Mas quem se lembra de Ford? E quem viu Peckinpah para além de um ou outro fragmento no YouTube? Seja como for, aconteça o que acontecer, é um grande teste simbólico e os Oscars de 2010 podem ficar como um marco na história digital do cinema.

Nenhum comentário: