quinta-feira, janeiro 14, 2010

Vergonha na vossa cara ZON LUSOMUNDO




Como é que é possível este filme, provavelmente o mais forte candidato a ganhar o óscar na categoria de melhor filme estrangeiro, estar apenas disponível num cinema (Zon Lusomundo) em Lisboa, o Avaláxia? Como?! Que atrasado mental estará por detrás de tal asneira? E mesmo que usem como argumento o facto de talvez não ser o filme mais rentável, o que é que aconteceu à parte cultural? Não interessa? E digo mais, se vamos falar de números (€'s) então alguém que me explique o que fazem em exibição filmes como Parceiros no Crime (uma merda de filme) ou Bright Star ? Com  "O Laço Branco" ao menos já sabem que é de um super realizador! Sabem que a critica tem sido fantástica! Sabem dos prémios angariados e as potenciais nomeações... é dificil de ignorar um filme destes, mas a ZONLUSOMUNDO conseguiu isso na perfeição.


VERGONHA NA VOSSA CARA!!

2 comentários:

Anônimo disse...

Boa noite. Coloquei a mesma questão à ZON Lusomundo e a explicação dada é algo que eu desconhecia que acredito qua a maior parte de nós desconhece. A ZON Lusomundo Cinemas é apenas uma exibidora. Os filmes não são deles. São das distribuidoras que os compram às produtoras e que, junto com a própria produtora decidem a quantidade de cópias que vai para cada país. Neste caso, pelo que andei a investigar, o filme veio para Portugal pelas mãos do Paulo Branco e da Atalanta. Com a quantidade de divídas que este sr. tem não é de estranhar que existam tão poucas cópia do filme em Portugal. Ana Fernandes

D.M disse...

Cara Ana Fernandes,

desde já agradeço a sua paciência em partilhar aqui informação que de facto desconhecia. Obstante de quem é o verdadeiro responsável por estas circunstâncias, este post iria sempre acontecer dado o nível de frustração que tive por ver que o filme estaria em exibição a partir de dia 14, e depois descobrir que apenas estaria no Avaláxia. Enfim... pequei pela critica pouco ou nada fundamentada, mas em jeito de cliente regular ressabiado que procura apenas proteger os seus interesses. Não compreendo mesmo como são disponibilizadas tão poucas cópias de um filme de que tanto se fala (e bem), para que outros sem qualquer tipo de valor cultural/estético/comercial possam ocupar as nossas salas de cinema.