sexta-feira, janeiro 28, 2011

Robin Hood (2010)



Um dos filmes mais esperados de 2010! 

Ridley Scott por detrás da camera, com Russel Crowe e Cate Blanchett nos papeis principais! Não parece haver melhor! O tema? Robin Hood ou "Robin dos Bosques" (como é mais conhecido entre portugueses), uma das maiores lendas do mundo literário, que para muitos de nós, foi uma das primeiras aventuras "animadas" da Walt Disney!

Então porque é que andei a adiar este filme e só recentemente é que o vi?

A resposta a essa pergunta é simples...

Tive medo!

Medo de sair tremendamente desiludido! Medo de estragar as boas recordações que tinha tanto dos desenhos animados, como do filme protagonizado por Kevin Costner em 1991! Filme  esse que na minha cabeça, me apresentou no fim da minha infância a uma versão conscientemente actualizada e mais de acordo com a "história verdadeira" do arqueiro mais famoso do mundo.  

Ainda por cima a situação depois piorou! 

A critica estava dividida e grande parte das pessoas que eu conhecia não tinha gostado muito do filme! Cada um à sua maneira, lançavam farpas e o medo que eu inicialmente tinha, continuava a crescer. Mas algo me disse que deveria dar-lhe essa oportunidade... afinal de contas, estamos a falar de um super realizador e dois dos melhores protagonistas que Hollywood tem para oferecer!

Então assim o fiz! Vi o filme... e adorei!

Reconheço que talvez tenha sido por estar com as expectativas muito baixas, mas prefiro pensar que as pessoas é que estavam com "ilusões" de grandeza relativamente a Robin Hood (2010), fiando-se muito na ideia  (e com razão) que de Ridley Scott espera-se sempre uma obra plena. Naturalmente, o filme Gladiator  (2000) também contribuiu para esta situação! Digo isto porque para muitos foi inevitável fazer essa associação/comparação ao épico, que iniciou a parceria Scott/Crowe, uma das mais bem sucedidas nos últimos tempos (já vão em 5 colaborações).

Mas agora deixem-me que vos explique a razão pela qual gostei desta versão de Scott... 

Comecemos com o óbvio... 

Scott é um dos grandes mestres do cinema, Crowe assenta bem no papel (e tomemos em consideração que trata-se de uma personagem difícil e com muitas responsabilidades perante a sua audiência), Cate Blanchett (para não variar) está incrivelmente bem! O elenco secundário apresenta altos e baixos, mas saliento Mark Strong como um vilão "fácil de odiar" (e isso é claramente bom).
Até os cenários merecem destaque, pois são ideais e de facto fica a sensação que somos mesmo transportados para Nottingham!

Mas o que mais me impressionou nesta longa-metragem foi o seu conceito, como se de uma prequela se tratasse! A apresentação das origens de Robert Longstride (mais tarde baptizado com a alcunha Robin Hood) desde pequenos episódios da sua infância (retratados através de flashbacks), passando pelo seu envolvimento nas cruzadas lideradas pelo Rei Ricardo, o seu regresso a Inglaterra e as confusões  de identidade, até ao momento em que é traído pelo reino que serviu durante anos. Aqui vemos a transformação de herói a renegado!

Pode-se dizer que enquanto as duas prévias versões mencionadas estão viradas para o entretenimento, a mais recente apresenta uma perspectiva histórica! Cruzei e filtrei a informação de todos os filmes vistos e sinto-me inquestionavelmente mais "conhecedor" da verdadeira história do Robin dos Bosques, e só por isso dou bastante mérito à última obra de Ridley Scott!


Nota: A exclusão de Robin Hood: Men in Tights (1993), do genial Mel Brooks, deve-se ao facto de se tratar de uma sátira, não sendo portanto igualmente relevante! Continua no entanto a ser uma das minhas representações favoritas desta personagem lendária!

Nenhum comentário: